quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Há vida depois do antidepressivo, ou, a vida depois do antidepressivo


Já contei aqui que tive depressão pós stress, pós parto, pós whatever... Enfim, o fato é que foi trash e não titubeei em começar a me drogar! A psiquiatra disse que eu precisaria de remédio e eu só não voei até a farmácia porque estava meio letárgica na época.

terça-feira, 11 de novembro de 2014

Eu acabei de chegar


Dia desses eu estava tomando banho com os meninos, Artur e Francisco. Faço isso sempre que estamos sozinhos em casa para que todos tenham direito ao seu banho diário!

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Encontros fortuitos são presentes da vida


Ainda não eram 6h da manhã, chamei o táxi pelo app “easy táxi” e desci para a portaria do prédio. Junto comigo, chegou o carro. O taxista, muito animado, perguntou se eu viajo sempre. Eu, com um “quê” de tristeza, disse que mais do que gostaria. Ele, não satisfeito, insistiu na conversa e quis saber o porquê. Acabei falando que tenho 2 filhos e que hoje não vou vê-los acordados, pois estava saindo de casa antes de amanhecer e voltaria apenas após eles já estarem dormindo. Ele, de imediato, me disse que admira muito as mulheres, que ele não conseguiria dar conta disso!

terça-feira, 28 de outubro de 2014

O que nós ganhamos na escola Waldorf


O Artur é um garoto muito sensível, eu sempre falo isso. Sensível como toda criança deve ser, com um tantinho de sensibilidade extra injetada em sua alma em algum momento, eu sinto assim. Isso é difícil pra caramba de digerir. Vivemos a era da impaciência e sensibilidade é vista por mim, e pela maioria das pessoas, como frescura. Quem quer ter um filho fresco? Eu não!

domingo, 26 de outubro de 2014

A mania de comparar os diferentes


Acabo de alcançar a proeza de “trincar” o dedo mínimo do pé direito.  Mães de filhos pequenos sabem que os esbarrões são rotina quando estamos querendo respeitar os horários e desviar dos brinquedos ao mesmo tempo. Claro que achei que não tinha sido grave, calcei um sapato e fui trabalhar. Mas, 24 horas depois, o fato de não poder mais vestir um sapato e a cor do dedo me levaram ao hospital de fraturas. E, por conta desta peripécia, tive a oportunidade de conviver com desconhecidos por alguns instantes. Enquanto eu aguardava para fazer o raio X chegou uma moça bonita, com uma senhora mais bonita ainda (sua mãe) e uma garotinha adorável (sua filha). Um casal de idosos – deviam ter por volta de 80 anos, não mais que isso – imediatamente puxou assunto com as 3 garotas. Estavam obviamente interessados na menininha, Isabela.

sábado, 20 de setembro de 2014

Um dia qualquer



Bom dia mãe! Mãe, este leite está sem gosto. Mãe, você não sabe que o meu pão é com requeijão e melado? Mãe, eu estou com frio. Mãe, você viu o capacete do Luke Skywalker do meu Lego Star Wars? Mãe, posso jogar pebolim? Mãe, onde está meu pebolim? Mãe, o que é bulbo? Mãe, ano que vem eu não quero fazer aula de alemão na escola, eu nem conheço alguém que more na Alemanha!

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

Mãe você pode fazer o tempo parar?


Vira e mexe meu filho mais velho me faz esta pergunta. Eu sempre digo “não, ainda não aprendi a parar o tempo”. Ele argumenta que “ter 6 anos é muito bom, que ele adora ser criança, que crescer deve ser muito chato, que ele não quer ter que casar, beijar na boca, apesar de que ter filhos deve ser bem legal”. E eu só ouvindo...

domingo, 31 de agosto de 2014

Sem pressa de crescer


Vamos aos fatos. Eu tirei o Artur (6) com diagnóstico de superdotação do 1º ano e matriculei novamente no jardim de infância. Estudei, pesquisei, perguntei, investiguei, li inúmeros autores, conversei com os especialistas disponíveis e decidi: é o melhor que eu posso fazer pelo meu filho.

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

As crianças precisam ser guiadas




Eu e o Artur(6) observávamos as brincadeiras fofas do Francisco(1) que está cada vez mais hábil e engraçadinho. 

De repente o Artur fala: “mãe, o Francisco não vai se transformar numa pessoa do mal, né? Num bandido?”

Eu: “você acha possível que uma criança tão amada e tão cuidada se transforme numa pessoa do mal?”

quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Insatisfeita


Artur é uma criança muito bem humorada, do tipo que acorda dando gargalhada.
Eu quero mais.

Tem uma energia e uma vitalidade ímpares.
Eu quero mais.

Pensa rápido, tira conclusões, dá um jeito de elaborar uma resposta.
Eu quero mais.

terça-feira, 8 de julho de 2014

Não é só a seleção brasileira, está todo mundo perdido



Pessoas, por favor, todo pai e mãe de primeira viagem tem certas dificuldades. Todos têm dúvidas, não sabem se atender imediatamente é melhor do que deixar chorar um pouquinho. Ou quando é hora de parar de insistir nas colheradas do mingau... Mas daí a não saber por que o filho de 1 ano e meio come só bala e chocolate, já é um pouquinho além da falta de prática básica, não acham? Quando me perguntam o que eu fiz para que meu filho fale tão direitinho, eu apenas deixo escapar: “falo português com ele desde que nasceu, o que mais ele poderia me dar de volta?”

quinta-feira, 3 de julho de 2014

Amor de irmãos

Tenho 3 irmãos e posso dizer que ninguém no mundo será capaz de receber o sentimento que entrego a eles. Não preciso ensina-los, não preciso alimentá-los, não preciso conquista-los. Mas preciso saber que estão bem, que alguém os está ensinando, alimentando e conquistando. Conviver com nossas diferenças e nossas personalidades nunca foi fácil, mas foi uma baita escola pra nós 4. Primeiras brigas, primeiros carinhos, primeiros ciúmes, primeiras disputas, primeiros compartilhamentos, primeiras rodadas de negociação, primeiras provas de resistência física e mental. Em mim eles viram que o mundo ia além de um par de cuecas, uma bola, chutes e pontapés. Neles eu vi que os homens tem cérebro e coração. O que eles não tem é útero, tpm e tititi. 

segunda-feira, 30 de junho de 2014

Bom dia segunda-feira!


Chicão, 14 meses, caiu da mesa de jantar no sábado às 8h da matina. Já foi examinado, radiografado, apalpado, acarinhado... Mas continua manhoso e querendo só a mamãe. E lá se vão 48 horas! Ele não gosta de colo, é intrépido e independente. Porém, desde a queda, está frágil e dengoso. E lá se vão 48 horas!

quinta-feira, 26 de junho de 2014

Cuidando de quem importa


Oi queridos e queridas, eu sumi por uns dias para dar um suporte extra para a família. Minha sogra, que é mãe de 2 garotos, como eu, fez uma cirurgia no quadril. Sendo assim, assumi meu papel de nora/filha e fui a acompanhante dela no hospital desde sexta (20). Isso exigiu uma flexibilidade extra para dar um olá pra casa e pros meninos, continuar trabalhando e estar inteira em todos os lugares. Mas agora ela já está em casa e as coisas vão voltando aos seus lugares. Ufa!

terça-feira, 17 de junho de 2014

Como os bebês crescidos são encantadores!


Ou eu já esqueci, ou eu estava muito estressada e preocupada (voto nesta opção) para perceber, mas o fato é que os bebês a partir de 1 ano de idade são seres fascinantes. O Francisco está prestes a completar 1 ano e 2 meses e meu encantamento com ele não tem fim.

sábado, 14 de junho de 2014

É tempo de mudar!



Artur vai mudar de escola. Ainda não sabe. Mas vai, e será em poucos dias. Comentando sobre o tema por alto, ele disse que confiava na minha avaliação do que seria melhor para ele. Eu me surpreendi, lógico. Esperava manha, birra, no mínimo um pouco de resistência... Mas ele foi melhor do que eu poderia imaginar. Acabou de completar seis anos e, às vezes, me surpreende com uma maturidade e uma serenidade que não são próprias da sua faixa etária.

domingo, 8 de junho de 2014

Nós, mulheres



As mulheres são seres gregários. Somos melhores em grupo, somamos nossas forças, dividimos nossas angústias, distribuímos o peso da nossa bagagem. Muito mais leve se descabelar com as amigas do que amargurar o sentimento negativo no fundo do peito, ou não? E o que dizer das alegrias e conquistas? Elas realmente ganham significado quando partilhadas com as irmãs de alma.

quinta-feira, 5 de junho de 2014

Mãe de menino

Sempre estive rodeada de meninos. Os meus três irmãos são homens. Não tenho memória de ter tido grandes dificuldades com o universo masculino, de amigos a ex-namorados. Exceção seja feita a meu excelentíssimo pai, com esse as coisas nunca foram fáceis, mas já estão resolvidas dentro de mim. Por ter tido esta intimidade quase umbilical com os homens desde a mais tenra idade, sempre soube que seria mãe de meninos. Grávida, suspirei por laços e fitas, mas desde o "positivo" no exame de gravidez já sabia que seriam canelas roxas e cabelos suados. 

quarta-feira, 4 de junho de 2014

Seis anos!



Outro dia mesmo rompeu minha bolsa um pouco antes da hora e fui submetida a uma cesariana indesejada e mal elencada, que eu, como mãe de primeira viagem, não soube contestar. De qualquer maneira foi muito bom ver o rostinho do meu primeiro filho, embora suas feições não fossem exatamente as apresentadas nas revistas. Ele era pequeno, magro, seu rosto tinha apenas uma grande boca. Feio, mas eu o amei com forças que eu nem sabia que existiam.